Thais

Tudo começou quando eu tinha 17 anos, tive depressão, estava passando uma fase muito difícil, sentia muitas dores na barriga e não conseguia comer nada. Procurei vários médicos, fiz muitos exames, mas nenhum descobria o que eu tinha.

Diziam que era coisa da minha cabeça. Emagreci muito, acho que pesei 30 quilos, e num ato de desespero meu pai me levou para Santa Catarina, pois minha tia conhecia alguns médicos e poderia ajudar. Fui parar em Florianópolis, onde fiz o exame de trânsito intestinal e fui diagnosticada com doença de Crohn.

Era tudo muito estranho, pois quase ninguém sabia a respeito dessa doença. Enfim, comecei com medicamentos e melhorei muito rápido. Voltei para o interior de SP, e não tive mais acompanhamento médico, parei com os remédios, pois estava muito bem.

Fiquei uns 4 anos bem, até que tive depressão novamente, e a doença voltou, porém voltou com tudo, mais forte ainda.

Consegui um especialista em SP, tomei vários remédios, porém nada resolvia. Minha barriga inchou muito e tive muitas dores.

Meu médico disse que precisaria de cirurgia. Fiquei uma semana internada antes da cirurgia pra receber um pouco de vitaminas e sangue, pois estava muito fraca. Na cirurgia foi retirado 30 cm do meu intestino.Foi como "tirar com a mão", uma semana já estava quase tudo normal.

ThaisMe recuperei muito rápido. Passado alguns ano, engravidei, minha gestação foi super normal, trabalhei até a 37º semana, minha filha nasceu de cesárea, linda, perfeita e saudável, com 3.405kg e 48 cm.

Depois da licença maternidade tive que voltar a trabalhar, aquela loucura novamente. Morava em SP, saia super cedo e voltava de noite, nem via minha filha acordada direito. Tive depressão mais uma vez!

Começou aquele terror novamente, muitas dores, diarreia e emagrecimento rápido. Fui atrás do meu médico, comecei com um tratamento com remédios biológicos, passei com psicóloga, que foi essencial... Tive fístulas perianais, fiz cirurgia, coloquei o séton, melhorei, ainda tomo os mesmos remédios, mas já estou quase em remissão!!!

Não posso abusar na alimentação, se não meu intestino não perdoa, às vezes sou teimosa, mas estou aprendendo!!! Costumo comparar a doença de Crohn como vulcão, de vez em quando dorme, e pode acordar a qualquer momento. Hoje tenho 33 anos, casei, cuido da minha filha, faço faculdade, estou vivendo...

Uma médica me disse um dia: "Se eu paro, eu penso, se eu penso eu choro". Então, vida que segue, o segredo é ocupar a cabeça.

Graças a Deus a medicina tem nos ajudado muito, creio que a cura virá!!!

Se eu puder dar um conselho,não abandone seu tratamento, vá ao psicólogo e cuide da dieta!

Muita saúde a todos!!!

Minha História de Vida



  • A pior dor do mundo é aquela que você está passando no momento, não importa a intensidade, desde que ela te atrapalhe a viver!

    Thiago Monteze



    Leia +


  • A princípio você acha que o mundo vai acabar que nunca mais vai poder fazer, nem comer nada, que viverá restrita a um banheiro.... Depois vê que nada disso é verdade!

    Joyce



    Leia +


  • Dias ruins são inevitáveis, porém eles podem passar e os dias bons voltam. Vale muito a pena ter paciência por que até o pior dia da sua vida só vai durar 24 horas.

    Gisele



    Leia +


  • Há esperança sim! Há muito mais que esperança! Eu diria que a minha certeza é que a doença de Crohn não tem cura AINDA!

    Sandra Saud



    Leia +
  • 1


  • A doença me deu sentido na vida e me tornei uma pessoa melhor, aprendi a dar mais valor na família e a tudo de mais simples que possa existir.

    Daniele Cursino Gonçalves



    Leia +


  • Tudo no começo é difícil, dieta nova, rotina nova. Demorou para ‘cair a ficha’. Mas hoje já lido com naturalidade, aceito e obedeço minha dieta.

    Maykon Sanches



    Leia +


  • Nunca desanimem, aprendam a viver nas crises, dando tempo ao tempo e aprendam a desfrutar das melhores coisas da vida.

    Adriana Cerdeira



    Leia +


  • A doença de Crohn não me impediu de fazer nada, ao contrário, gosto de mostrar às pessoas e a mim mesma que sou capaz de fazer!

    Angélica Vilas Bôas



    Leia +
  • 1


  • Fui obrigada a aprender a conviver com a doença ... mas a minha vida está bem melhor.

    Janaina Braga



    Leia +


  • Se eu puder dar um conselho,não abandone seu tratamento, vá ao psicólogo e cuide da dieta!

    Thaís Rufino



    Leia +


  • Há cinco tenho tido uma vida praticamente normal. Isso se deve, sem sombra de dúvidas, ao cuidado e orientações que venho recebendo.

    Edilson Vicente de Lima



    Leia +


  • Aprendi a valorizar mais a vida, as pessoas, a doença me trouxe também muitas coisas positivas.

    Deissy Kelly Pereira dos Santos



    Leia +
  • 1

Entre em contato

 

  (11) 3436-9335

  contato@gamedii.com.br

 

GAMEDII no Facebook

Apoio

  • Sociedade Brasileira de Coloproctologia
  • Federação
  • Grupo de Estudos da Doença Inflamatória do Brasil
  • SOBEST
  • 1

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas notícias!