Edilson

Antes do tratamento que comecei a receber para doença inflamatória intestinal , posso dizer que tinha uma vida insegura. Além dos desconfortos relacionados às infecções intestinais, tinha muita artrite reativa e padeci, também, vários anos com infecção no ouvido. Evidentemente que passei vários anos trocando de médico e buscando o tratamento adequado.

Os problemas e sintomas causados pela doença, além de prejudicar sobremaneira minha vida em sentido pessoal e, portanto, dificultar minha conduta social, também prejudicava minha vida profissional, já não me proporcionava segurança que poder exercer minha profissão: Muitas vezes tive que desmarcar aulas por contas de crises e até mesmo apresentações musicais por conta de artrite em uma das mãos ou outras articulações.

Além disso, com as dificuldades e as inseguranças relacionadas ao trato gastrointestinal, dificuldades com alimentação e perda de peso constitui outro fator que me causava grande insegurança em viver uma vida socialmente segura.

No final de 2011 tive contato, no Complexo Hospital Padre Bento, e iniciei tratamento sendo acompanhado pela equipe multiprofissional. Evidentemente que a melhora ocorreu paulatinamente, porém, logo no início pude perceber que o resultado era positivo e, aos poucos, pude sentir as melhoras.

EdilsonCom aproximadamente um ano de tratamento já estava tendo uma vida praticamente normal: havia recuperado minha segurança em viajar, visitar museus e ir a shows e concertos, além das aulas .

Também com o controle das artrites pude voltar estudar regularmente meu instrumento. Evidentemente que certos cuidados, tais como alimentação adequada, observação aos remetidos que possam prejudicar o tratamento, além de uma vida psicologicamente saudável, são de suma importância para que o tratamento continue dando resultados positivos.

Também nesse aspecto, a assistência que recebemos do grupo interdisciplinar, que conta com psicóloga, enfermeira que orienta nossas vacinas e nutricionista, constitui, também, fator importantíssimo no conjunto do tratamento. Assim, posso dizer que aproximadamente há cinco tenho tido uma vida praticamente normal. Isso se deve, sem sombra de dúvidas, ao cuidado e orientações que venho recebendo.

Porém, um dos fatores que mais considero importante é que esse tratamento, justamente por seu caráter público, tem ajudado muitas outras pessoas.

Minha História de Vida



  • A pior dor do mundo é aquela que você está passando no momento, não importa a intensidade, desde que ela te atrapalhe a viver!

    Thiago Monteze



    Leia +


  • A princípio você acha que o mundo vai acabar que nunca mais vai poder fazer, nem comer nada, que viverá restrita a um banheiro.... Depois vê que nada disso é verdade!

    Joyce



    Leia +


  • Dias ruins são inevitáveis, porém eles podem passar e os dias bons voltam. Vale muito a pena ter paciência por que até o pior dia da sua vida só vai durar 24 horas.

    Gisele



    Leia +


  • Há esperança sim! Há muito mais que esperança! Eu diria que a minha certeza é que a doença de Crohn não tem cura AINDA!

    Sandra Saud



    Leia +
  • 1


  • A doença me deu sentido na vida e me tornei uma pessoa melhor, aprendi a dar mais valor na família e a tudo de mais simples que possa existir.

    Daniele Cursino Gonçalves



    Leia +


  • Tudo no começo é difícil, dieta nova, rotina nova. Demorou para ‘cair a ficha’. Mas hoje já lido com naturalidade, aceito e obedeço minha dieta.

    Maykon Sanches



    Leia +


  • Nunca desanimem, aprendam a viver nas crises, dando tempo ao tempo e aprendam a desfrutar das melhores coisas da vida.

    Adriana Cerdeira



    Leia +


  • A doença de Crohn não me impediu de fazer nada, ao contrário, gosto de mostrar às pessoas e a mim mesma que sou capaz de fazer!

    Angélica Vilas Bôas



    Leia +
  • 1


  • Fui obrigada a aprender a conviver com a doença ... mas a minha vida está bem melhor.

    Janaina Braga



    Leia +


  • Se eu puder dar um conselho,não abandone seu tratamento, vá ao psicólogo e cuide da dieta!

    Thaís Rufino



    Leia +


  • Há cinco tenho tido uma vida praticamente normal. Isso se deve, sem sombra de dúvidas, ao cuidado e orientações que venho recebendo.

    Edilson Vicente de Lima



    Leia +


  • Aprendi a valorizar mais a vida, as pessoas, a doença me trouxe também muitas coisas positivas.

    Deissy Kelly Pereira dos Santos



    Leia +
  • 1

Entre em contato

 

  (11) 3436-9335

  contato@gamedii.com.br

 

GAMEDII no Facebook

Apoio

  • Sociedade Brasileira de Coloproctologia
  • Federação
  • Grupo de Estudos da Doença Inflamatória do Brasil
  • SOBEST
  • 1

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas notícias!