Deissy

Diagnosticada com Doença de Crohn desde o segundo semestre de 2013, foi um grande susto e ao mesmo tempo um alívio descobrir o que havia de errado com o meu corpo. Comecei com sintomas brandos no mês de maio, como presença de muco nas fezes e desconforto abdominal. Aos poucos os sintomas foram se intensificando, até ocorrer o primeiro sinal de sangramento e diarreias frequentes. Procurei um clínico geral e o médico disse se tratar de algum tipo de verme. Os exames não apresentaram nada, mas acabei tomando vermífugo. A partir desse dia o quadro só piorou. Depois de procurar duas vezes o pronto socorro, fui encaminhada para o proctologista.

Nessa época eu tinha 18 anos, estava no primeiro ano da faculdade, fazia curso de inglês, trabalhava como estagiária e acabara de terminar um relacionamento de três anos, ou seja, no auge do estresse que é a passagem da adolescência para a vida adulta. Era difícil manter o equilíbrio diante de tanta mudança na minha rotina. Muitas vezes eu sentia um cansaço extremo, me arrastava de casa para o trabalho, do trabalho para a faculdade e da faculdade para casa. Me sentia muito mal e muito triste, mas ao mesmo tempo havia uma força que não sabia de onde brotava (só podia ser de Deus).

Ao me consultar com a proctologista foi solicitado que eu realizasse o exame de Colonoscopia. O exame é bem constrangedor, e sem anestesia é bastante sofrido. Através do exame descobri o culpado de tamanho desconforto, a DII (mais precisamente Doença de Crohn). Como o meu intestino estava muito inflamado o exame não pôde ser finalizado devido ao risco de perfuração. Após o tratamento com medicações (os terríveis corticóides), sem surtir o efeito desejado, tive a primeira internação no final do mês de novembro e a segunda internação em dezembro, ambas no mesmo ano de 2013.

Eu tinha 1,67m de altura e cheguei a pesar 44kg, tinha crises de diarreia com sangue (uma grande hemorragia), ia ao banheiro cerca de 20 vezes por dia, dores de estômago, cheguei a vomitar sangue também, e estava com uma infecção. No hospital não conseguia tomar banho sozinha por estar muito fraca, só tomava líquidos e os remédios demoravam para fazer efeito. Os médicos não sabiam mais o que fazer ou no mínimo desconheciam como deveriam agir. E eu me sentia insegura, muito triste e com um medo devastador.

deissy capaApós a alta da segunda internação fui procurar um especialista em DII, o mesmo médico que realizou a minha primeira colonoscopia. Ele já havia pedido aos meus pais que o procurasse, pois tinha interesse em acompanhar o meu caso. Comecei o tratamento com novas medicações (imunossupressores e mesalazina) e apresentei melhora. Aos poucos fui recuperando o peso, mas as sequelas dessas crises me resultaram em uma forte anemia, com queda de cabelo, sono em excesso (onde encostava pegava no sono), fraqueza, cansaço extremo e desmaios repentinos.

Consegui o tratamento com suplementação de sulfato ferroso via intravenosa, e passava horas no hospital para tomar aquele soro duas a 3 vezes por semana. Ao me recuperar da anemia (segundo semestre de 2014), entrei com o tratamento biológico, e foi aí que a minha vida mudou, eu tive uma grande melhora. Desde então não tive mais crises intensas e entrei em remissão. As vezes sinto algum desconforto típico da doença aos quais consigo me adaptar e levo uma vida normal.

Por mais que estivesse doente, não permiti que isso impactasse o meu dia-a-dia, os meus sonhos - consegui terminar a faculdade com louvor, continuo no mercado de trabalho de acordo com a minha formação, finalizei todos os projetos que já estavam em andamento e tenho muito planos para o futuro. Já fiz várias viagens nacionais e internacionais. Nunca me privei dos sonhos, sempre adaptando as circunstâncias para que eu pudesse me encaixar.

Eu tenho o total apoio da minha família e de amigos queridos, tenho um relacionamento com uma pessoa incrível que me apoia e me entende mesmo nos dias ruins. Faço o acompanhamento médico nos períodos certos e tomo as medicações corretamente. Costumo dizer que: todos os dias é travada uma batalha contra o meu próprio corpo, e eu não me admito perder. Aprendi a valorizar mais a vida, as pessoas, a doença me trouxe também muitas coisas positivas. E vou continuar seguindo, na esperança de que um dia a cura possa fazer parte da minha/da nossa realidade.

Minha História de Vida



  • A pior dor do mundo é aquela que você está passando no momento, não importa a intensidade, desde que ela te atrapalhe a viver!

    Thiago Monteze



    Leia +


  • A princípio você acha que o mundo vai acabar que nunca mais vai poder fazer, nem comer nada, que viverá restrita a um banheiro.... Depois vê que nada disso é verdade!

    Joyce



    Leia +


  • Dias ruins são inevitáveis, porém eles podem passar e os dias bons voltam. Vale muito a pena ter paciência por que até o pior dia da sua vida só vai durar 24 horas.

    Gisele



    Leia +


  • Há esperança sim! Há muito mais que esperança! Eu diria que a minha certeza é que a doença de Crohn não tem cura AINDA!

    Sandra Saud



    Leia +
  • 1


  • A doença me deu sentido na vida e me tornei uma pessoa melhor, aprendi a dar mais valor na família e a tudo de mais simples que possa existir.

    Daniele Cursino Gonçalves



    Leia +


  • Tudo no começo é difícil, dieta nova, rotina nova. Demorou para ‘cair a ficha’. Mas hoje já lido com naturalidade, aceito e obedeço minha dieta.

    Maykon Sanches



    Leia +


  • Nunca desanimem, aprendam a viver nas crises, dando tempo ao tempo e aprendam a desfrutar das melhores coisas da vida.

    Adriana Cerdeira



    Leia +


  • A doença de Crohn não me impediu de fazer nada, ao contrário, gosto de mostrar às pessoas e a mim mesma que sou capaz de fazer!

    Angélica Vilas Bôas



    Leia +
  • 1


  • Fui obrigada a aprender a conviver com a doença ... mas a minha vida está bem melhor.

    Janaina Braga



    Leia +


  • Se eu puder dar um conselho,não abandone seu tratamento, vá ao psicólogo e cuide da dieta!

    Thaís Rufino



    Leia +


  • Há cinco tenho tido uma vida praticamente normal. Isso se deve, sem sombra de dúvidas, ao cuidado e orientações que venho recebendo.

    Edilson Vicente de Lima



    Leia +


  • Aprendi a valorizar mais a vida, as pessoas, a doença me trouxe também muitas coisas positivas.

    Deissy Kelly Pereira dos Santos



    Leia +
  • 1

Entre em contato

 

  (11) 3436-9335

  contato@gamedii.com.br

 

GAMEDII no Facebook

Apoio

  • Sociedade Brasileira de Coloproctologia
  • Federação
  • Grupo de Estudos da Doença Inflamatória do Brasil
  • SOBEST
  • 1

Newsletter

Cadastre-se para receber nossas notícias!